A Vida - As obras - A poesia "Desejo-te tempo"

Publiziert am 23.05.2017  von Elli Michler

A Vida

Elli Michler nasceu em Würzburg, na Alemanha, a 12 de fevereiro de 1923, num período caracterizado por uma inflação extremamente elevada e por graves incertezas políticas e económicas.
Filha única, teve uma infância feliz e protegida no seu ambiente familiar, juntamente com a mãe, que sofria de graves problemas de audição, com o pai, comerciante, e com a avó, por quem nutria particular afeição.
Era ainda uma jovem estudante quando os nazis fecharam a sua escola conventual; foi assim obrigada a interromper bruscamente o seu percurso de estudos sem conseguir obter o diploma previsto.
Num primeiro momento, realizou um ano de trabalho obrigatório e, pouco depois do início da Segunda Guerra Mundial, na qual o pai teve de participar desde o primeiro dia, foi chamada para trabalhar num grupo industrial de Würzburg.
Após 6 anos de terror e de trabalho monótono, depois da guerra aérea e da destruição da sua amada cidade, para Elli Michler, que não tinha perdido o desejo de cultura, chegou um momento decisivo da sua vida com o trabalho voluntário para a reconstrução da Universidade de Würzburg.
Foi durante este período que conheceu o homem que se tornaria depois o seu grande amor: “MM”, libertado da prisão da guerra e vítima das expulsões de Breslávia. Em Würzburg, iniciou os seus estudos universitários em condições de extrema pobreza. Três anos mais tarde casaram-se, depois de Elli, neste período marcado por tantas dificuldades, ter concluído os seus estudos de economia, e de ele próprio ter terminado a preparação para uma cátedra no liceu.
Depois do nascimento da primeira filha, com grande tristeza, a jovem família teve de deixar a amada Würzburg. Só na região de Hessen havia perspetivas profissionais para os dois; inicialmente, mudam-se para Frankfurt, acabando por se estabelecer em 1961 em Bad Homburg.
A escrita sempre fez parte da vida de Elli Michler; para ela, era uma necessidade e uma alegria. Dedicou-se intensamente a ela, no entanto, só depois de acalmarem os esforços físicos e as tensões interiores derivantes dos cuidados aos pais idosos, após a sua morte. Compôs poemas sobre tudo o que a comovia e, por isso, tardou a sua publicação, que lhe trouxe um enorme e inesperado sucesso, até hoje ininterrupto.
A escritora faleceu a 18 de novembro 2014 com 91 anos de idade.

As obras

Desde 1987, Elli Michler publicou vários livros de poesia para a editora Don Bosco Verlag, Munique, incluindo a sua autobiografia com o título “Ich träum’ noch einmal vom Beginnen” [Ainda sonho em começar].
Nos seus textos, a autora trata de temas intemporais fundamentais para o homem: o amor, os medos e a nostalgia, o futuro e o presente, o sentido da vida. Com as suas poesias, procura renovar a consciência dos valores que se perderam na quotidianidade moderna: a ligação com a natureza, as raízes na pátria, o sentir-se protegido no amor.
Um rio de cartas apaixonadas por parte dos leitores e a tiragem total dos seus livros são testemunho do sucesso dos seus poemas. Do antologia “Dir zugedacht” [Dedicado a ti], “Wunschgedichte” [Poesias do augúrio] (chegada à 22a edição), foram necessárias quatro reimpressões logo no ano de publicação.   
Como se explica este sucesso?
Muitas pessoas procuram textos sugestivos e ricos de otimismo, que testemunhem sinceridade, profundidade e maturidade. Através de poemas significativos, realísticos e compreensíveis, Elli Michler oferece um apoio emocional que hoje é particularmente importante.
Elli Michler tem o grande dom de descobrir no quotidiano aquilo que verdadeiramente conta na vida, de representá-lo na sua essência sob a forma literária, exprimindo-o no entanto numa linguagem clara, simples e bonita, de forma que os leitores se possam identificar nos seus textos.
Os seus poemas plasmam-se na língua e, graças ao seu ritmo e às rimas, frequentemente usadas, tocam o leitor com a sua profundidade de pensamento e sabedoria filosófica.
Aquilo que Kästner pede aos poetas encontra-se plenamente realizado nas obras de Elli Michler: sinceridade naquilo que sente, clareza de pensamento e simplicidade nas palavras e nas frases.
A resposta que Schopenhauer deu à pergunta sobre o que é um poema, ou seja, “um pedaço de eternidade no tempo”, levou Elli Michler a ajudar as pessoas, movidas pelo medo e pelo frenesim, para que no meio de toda a negatividade do nosso tempo, encontrem através da poesia uma paz interior e uma visão positiva das dificuldades da sua vida. Uma avalanche de cartas de leitores entusiastas e agradecidos demonstra o efeito psicoterapêutico dos seus versos.

A poesia "Desejo-te tempo"

Com as suas palavras, Elli Michler não pretendia simplesmente dedicar-se à literatura, mas sim oferecer os seus poemas como apoio emocional contra uma generalizada crise de identidade; assim, foi natural para ela escolher o formato do augúrio como tema para uma das suas primeiras antologias, com o título “Dir zugedacht” [Dedicado a ti], publicada pela primeira vez em 1989 pela DBV, que já chegou à 22edição.
Entre os vários desejos, certamente não menos importantes, como “proteção afetiva”, “alegria”, “tranquilidade”, “coragem”, etc., o poema “Desejo-te tempo” tornou-se em pouco tempo o preferido dos leitores, pois exprimia, ontem como hoje, o desejo mais profundo do homem do nosso tempo.
Quem o lia pela primeira vez sentia-se tocado, ficava fascinado e desejava imediatamente dá-lo a ler a alguém. Daí derivou um enorme número de reimpressões com uma rápida difusão do texto nos últimos anos em toda a área germanófila e não só. O texto publicado em vários livros, jornais, revistas, em milhares de jornais paroquiais e, de há alguns anos para cá, na internet, continua a entusiasmar leitores.
Quer seja lido como mensagem de boas-vindas nos hotéis em estâncias turísticas em Itália ou na Hungria, quer se encontre em Marrocos ou na República Checa, quer esteja afixado nas estações de serviço ou nas portas das igrejas das ilhas do Mar do Norte, em todo lado as reações são positivas, mesmo na América, em Israel e na Austrália.
O famoso ator e moderador televisivo alemão Baldur Seifert, já desaparecido, definiu-o como “o poema do século” depois de a sua leitura na emissora radiofónica Südwestfunk (atual SWR) ter registado um incrível sucesso entre os ouvintes, com consequente difusão em todas as outras transmissões de rádio, em particular com Petra Pascal na WDR.
Na Alemanha e na Suíça foram publicados alguns volumes de Elli Michler, inclusive em braile, entre os quais o poema “Desejo-te tempo”.
Das mais de 100 adaptações musicais de poemas de Elli Michler, quase 40 referem-se precisamente a este célebre e amado texto.

Tradução efetuada por SB Traduzioni

Empfehlungen